17 de abril de 2013

vezes sem conta

Já não é a primeira vez que me questiono mas, ultimamente esta pergunta é muito frequente: porque é que ages assim? Sinceramente, acho que ninguém te compreende.. nem mesmo tu! É triste quando se perde aquilo que se mais ama mas, mais triste ainda, é repetir isso vezes e vezes sem conta.
Acredito que de todos os momentos passados lado a lado, são mais os melhores, os inesquecíveis, que aqueles menos bons. Apesar de tudo isso, foram esses pequenos momentos menos bons que estragaram tudo! Sim, porque não soubeste valorizar aquilo que era teu, enquanto o tinhas!
Fazes ideia de quantas pessoas gostariam de ter alguém assim na sua vida, alguém capaz de tudo por elas? Penso que não, é que não podes fazer ideia mesmo!
Se já não soubeste valorizar antes, como é que esperas fazê-lo agora? Um conselho: deixa que se libertem de ti, deixa a felicidade abarcar na vida de quem não foste capaz de fazer feliz, sem estragar tudo. 

10 de abril de 2013

necessidade ou quê?

Sempre precisei da tua presença para ser feliz, sempre precisei da tua sabedoria para tomar as mais fugazes decisões, sempre precisei de ti. Desde que aqui estou que sinto que tudo aquilo que me rodeia é pouco (ou nada) relevante. Tudo isto acabará um dia e eu não serei capaz de dizer adeus e continuar em frente. Só queria poder juntar as duas vidas que me pertencem, só queria desvendar os mistérios que te envolvem em mim, quando te recordo. São coisas que nem eu sei porque é que existem... Mas, um facto é que existem! Por existirem fazem com que a minha cabeça ande numa completa batalha, entre o que está certo e o que está errado! Neste momento, são 03h52 e ainda estou a pé... e, porquê? Porque em vez de estar a estudar Matemática II, que tenho frequência amanhã, estive foi a ver mais um episódio da série "Californication" e a rever algumas fotografias. Isto parece doentio!

6 de abril de 2013

ópio



  • A cabeça pensa aquilo que a mente imagina e, o corpo limita-se a agir.
  • Nada é mais belo que aquilo que possamos pensar e/ou idealizar.
  • Tudo o que acontece no exterior já sucedeu no interior.
  • Só somos complexos aquando de criar novos ideais.